sábado, 5 de setembro de 2009

A tua presença


Quando acordo pelas manhãs
O sol admirando teu corpo moreno
Vejo em teu leito a luz da janela
Teu suave repouso no branco da nuvem

Olho teus longos cabelos negros
Reluzindo em curvas delineando o rosto
Como posso tanto amor, tanto querer?
Se nem sorriu, se nem olhou para mim

Tantas palavras tuas escritas no ar
Dizem das mágoas que vivem em teu coração
Falam de teus amores, sonhos e canções
Tristes histórias que não tiveram fim

Traduzem as mágoas na tua descrença
Percorrendo os labirintos do desamor
São as juras de amor no coração ferido
Sussurando preces benditas a alma

Como posso te dar a minha crença?
Desejando o milagre da felicidade
Te presenteando com a via láctea
Lembrar-te das coisas belas que há em ti

Entrego a minha paz de todos os dias
Das minhas preces o pedido de ser feliz
De todos os meus sonhos o teu acontecer
Quero te fazer amar e tenho de ti só a presença