terça-feira, 15 de novembro de 2016

“Inventário do ir-remediável” - Caio Fernando Loureiro de Abreu

Pecado - Caetano Veloso e Jaques Morelenbaum
[Carlos Bahar, Pontier y Francini - Arg. 1975]
Caetano Veloso70  -  http://www.caetanoveloso.com.br/
Jaques Morelenbaum CelloSambaTrio   -  https://www.facebook.com/cellosambatrio
~.~.~
~.~.~
“Inventário do ir-remediável”

Não queria, desde o começo eu não quis. Desde que senti que ia cair e me quebrar inteiro na queda para depois restar incompleto, destruído talvez, as mãos desertas, o corpo lasso. Fugi. Eu não buscaria porque conhecia a queda, porque já caíra muitas vezes, e em cada vez restara mais morto, mais indefinido – e seria preciso reestruturar verdades, seria preciso ir construindo tudo aos poucos, eu temia que meus instrumentos se revelassem precários, e que nada eu pudesse fazer além de ceder.

Mas no meio da fuga, você aconteceu. Foi você, não eu, quem buscou. Mas o dilaceramento foi só meu, como foi só meu o desespero. Que espécie de coisa o cigarro queimou, além dos cabelos? Sei que foi mais fundo, mais dentro, que nessa ignorada dimensão rompeu alguma coisa que estava em marcha. Eu quis tanto ser tua paz, quis tanto que você fosse o meu encontro. Quis tanto dar, quis tanto receber. Quis precisar, sem exigências. E sem solicitações, aceitar o que me era dado. Sem ir além, compreende? Não queria pedir mais do que você tinha, assim como eu não daria mais do que dispunha, por limitação humana. Mas o que tinha, era seu.

A noite ultrapassou a si mesma, encontrou a madrugada, se desfez em manhã, em dia claro, em tarde verde, em anoitecer e em noite outra vez. Fiquei. Você sabe que eu fiquei. E que ficaria até o fim, até o fundo. Que aceitei a queda, que aceitei a morte. Que nessa aceitação, caí. Que nessa queda, morri. Tenho me carregado tão perdido e pesado pelos dias afora. E ninguém vê que estou morto.

_Caio Fernando Abreu, em “Inventário do ir-remediável”, 2ª ed., Porto Alegre: Editora Sulina, 1995.

“Ando fatigado de procuras inúteis e sedes afetivas insaciáveis, (…)Meu coração tá ferido de amar errado, você me entende? Queria que você entendesse os meus poços escuros, os meus becos – que me fazem mergulhar em silêncios às vezes longos. Não devemos nos perder, somos tão poucos. Me queria bem.”

- Caio Fernando Abreu (22/8 – mês do desgosto – 77), fragmento de carta, do livro “Cartas – Caio Fernando Abreu”. (organização Ítalo Moriconi). Rio de Janeiro: Aeroplano, 2002.

Em 25 de fevereiro de 1996, Caio Fernando Abreu falece em Porto Alegre, aos 47 anos. Ovelhas Negras recebe o Prêmio Jabuti de melhor livro de contos do ano.
Fonte:
Delfos - Espaço de Documentação e Memória Cultural/PUC-RS - Acervo Caio Fernando Abreu

http://www.elfikurten.com.br/2013/08/caio-fernando-abreu-retratos-da.html

sábado, 12 de novembro de 2016

aprendi que nem sempre agrado a todos, e nem devo

LIVE-Gotan Project "SOLA"
 http://www.gotanproject.com/
e
Veronika Silva    https://www.facebook.com/Veronika.Silva.00/?fref=ts

Sola / Sozinho 

Hoy  /  Hoje
Un cielo azul / Um céu azul 
Ilumino  /  Ilumino 
La carretera  /  A estrada 

Vientos / Ventos 
De ilusión / De ilusão  
Que acaricio / Que acaricio 
Mi vida entera  /  Minha vida inteira
Puede ser que aún me quieras / Pode ser que ainda me queiras

Sola con mi soledad / Sozinho com minha solidão
Caigo que es mucho mejor / Caio que é muito melhor
Escribir y meditar / Escrever e meditar
Que cargar la cruz del desconsuelo / Que carregar a cruz do sofrimento    

Para matar el dolor / Para matar a dor
Tuve una vez que aceptar / Tive uma vez que aceitar
Nadie es del mismo color / Ninguém é da mesma cor
Nadie puede penetrar mis sueños / Ninguém pode penetrar em meus sonhos

Vos  /  Vós
Mostraste al fin /  Mostrastes no fim
Tu risa cruel  / Teu riso cruel
Y tu mentira  / E tua mentira

Yo  /  Eu   
Yo te quise igual / Eu te quis igual
Te perdone  / Te perdoei
Cambie la mira  /  Mudou teu olhar
Y entonces comprendí  / E então compreendi

Sola con mi soledad / Sozinho com minha solidão
Caigo que es mucho mejor / Caio que é muito melhor
Escribir y meditar / Escrever e meditar
Que cargar la cruz del desconsuelo / Que carregar a cruz do sofrimento 

Para matar el dolor / Para matar a dor    
Tuve una vez que aceptar / Tive uma vez que aceitar
Nadie es del mismo color / Ninguém é da mesma cor
Nadie puede penetrar mis sueños / Ninguém pode penetrar em meus sonhos
~.~.~
imagem da internet 
~.~.~
aprendi que nem sempre agrado a todos, e nem devo, 
porque agradar a todos é fazer sucesso. 
o sucesso acontece e passa... 
o que fica de mais verdadeiro são as pessoas importantes.  
importantes do verbo importar, é quando importamos as pessoas que nos importa para dentro do nós. 

são os nossos pais, são os mestres, são os anciãos sem diplomas que nos fazem crescer, aqueles que nos alimentam com sabedoria, do latim "sapere" - que tem sabor, tem gosto, tem gosto pela vida e nos permitem evoluir como seres humanos. são aquelas que nos fortalecem com o aprendizado da sapiência, com a cultura humana do civilizado.

são aquelas que nos ensinam com simplicidade a compreender e aceitar as diferenças entre as pessoas. 
que todo ser humano tem direito as preferências sexuais, tem o seu valor e é único em seu modo de ser o que é.

aos que não aceitam as diferenças, aos que apenas toleram as diferenças, não crie evitações e as fobias sociais.
não importa quantos diplomas e títulos tenham, não são os indiferentes sociais, são os ignorantes sociais e os sociopatas.
são os ignorantes em reconhecer o direito de ser diferente na existência dos outros e os quer destruir social e psicologicamente.

são os que querem transformar erotizando o outro, invadindo-o com seu desejo de mudá-lo ao seu prazer como um objeto.
eles não se importaram no que é mais essencial para a coexistência, o amor. 
o prazer e o amor andam juntos, mas são de preço e valor diferentes. 
temos o prazer com os objetos que compramos pelo preço que pagamos. 
temos o valor do sentimento de amor pelas pessoas que convivemos e amamos.

e há entre os resistentes que se ignoram, os que se dizem democráticos.
mudar o outro é anti democrático, é uma invasão de território.
é um ato de barbaridade instintiva,
que os tipifica como dominadores do outro em ser o que é.
para esse tipo de gente: 
aceitem uma orientação psicológica, uma consulta com o psicoterapeuta.
Cuidar da saúde mental é para os civilizados, aos que respeitam a vida. 
aos que respeitam a própria vida e a vida daqueles que ama. 
cuidar da própria saúde é respeitar a si mesmo para respeitar ao outro.
é cuidar do cuidador, do seu corpo e da sua mente, para cuidar da mente e do amor do outro.

dar significado a vida e o valor aos conselhos do Mestre Cortella:
“Todo preconceituoso é covarde. O ofendido precisa compreender isso”.

Mario Sergio Cortella - filósofo e doutor em educação que fez carreira na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.
leia mais:
http://www.resilienciamag.com/todo-preconceituoso-e-covarde-o-ofendido-precisa-compreender-isso/

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Já te contaram a estória da Cinderela? A minha namorada disse: não! eu moro no futuro.

Tears For Fears e Oleta Adams - Woman In Chains - TearsForFearsVEVO
Music video by Tears For Fears performing Woman In Chains. (C) 1989 PolyGram Video International
~.~.~
~.~.~

Já te contaram a estória da Cinderela? 
A minha namorada disse: não! eu moro no futuro.

Aquele Príncipe Encantador, que dançou a noite toda com a feliz Cinderela, que tão preocupada em não virar abóbora com a meia-noite, voltou correndo para casa. Distraída com a aparência das abóboras, deixou sair dos pés um dos sapatos.

O Príncipe enganador, isto é, Encantador, apaixonado pelo encanto de si mesmo, a procurou por todo reino. Convocou todas as moças do reino pegando nos pés de cada uma, para depois calçar o sapato. 

Apesar de ter dançado com a Cinderela a noite inteira, o Príncipe é enganador mesmo, não se lembrava nem do rosto dela. E assim, finalmente ele a encontrou e foram infelizes para sempre. 

A Cinderela cresceu e se tornou uma mulher, que conta a mesma estória para as filhas. daquele Príncipe Encantador, que como enganador de Cinderelas deveria ser outro e não o Príncipe sádico encantador que virou sapo.

E assim, as Cinderelas continuam sendo enganadas até hoje pelo faz de conta em que tudo é de mentira, o palácio alugado é uma prisão, onde são presas pelo pé e se vão se acostumando na estrada da vida a serem masoquistas e submissas, enquanto todas viram abóboras e vão se ajeitando no balançar da carruagem.

"onde não houver amor, não se demores." Frida Kahlo

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

A uma passante - Charles Baudelaire - em As Flores do mal.

Only You - Lisa Ekdahl 

LISA EKDAHL
look to your own heart
http://lisaekdahl.com/
News Biography Discography Images Videos Gigs Links Press & Contact
~.~.~

A uma passante

A rua em torno era um frenético alarido.
Toda de luto, alta e sutil, dor majestosa,
Uma mulher passou, com sua mão suntuosa
Erguendo e sacudindo a barra do vestido.

Pernas de estátua, era-lhe a imagem nobre e fina.
Qual bizarro basbaque, afoito eu lhe bebia
No olhar, céu lívido onde aflora a ventania,
A doçura que envolve e o prazer que assassina.

Que luz… e a noite após! – Efêmera beldade
Cujos olhos me fazem nascer outra vez,
Não mais hei de te ver senão na eternidade?

Longe daqui! tarde demais! “nunca” talvez!
Pois de ti já me fui, de mim tu já fugiste,
Tu que eu teria amado, ó tu que bem o viste!
~
Blame it on my youth - Lisa Ekdahl
~.~.~
(Charles Baudelaire. As Flores do mal. Nova Fronteira, 1985: p. 361.) http://www.poesiaspoemaseversos.com.br/a-une-passante-baudelaire/

Only you / Só você
http://letras.kboing.com.br/ekdahl-lisa/only-you/traducao.html#googtrans(en|pt)

Blame It On My Youth / Culpe Minha Juventude
http://letras.kboing.com.br/ekdahl-lisa/blame-it-on-my-youth/traducao.html

domingo, 7 de agosto de 2016

um dia a gente aprende que só se pode amar no outro


♫ Quando Fui Chuva♫ Maria Gadú & Luis Kiari♥ 

Maria Gadú
http://mariagadu.net/ 
Pra Ouvir -  Agenda/Contato -  Juntin -  Pra Ver

LUIS KIARI 
http://luiskiari.com.br/
SOBRE  MÍDIAS  FOTOS  TRÊS  MÚSICAS VÍDEOS AGENDA BLOG CONTATO
~.~.~
~.~.~

um dia a gente aprende que vai poder se amar

um dia a gente aprende que amar vale a vida que somos e o mundo com amor é maravilhoso.

um dia a gente aprende que saciar a sede é beber um copo com água às pressas e a sede se satisfaz inodora, insípida e incolor.

um dia a gente aprende que saciar o amor, é saborear as nuances nos pequenos detalhes, no desvendar dos aromas, nas variantes das cores de um único e raro vinho, de um único e raro amor.

um dia a gente aprende a intimidade no olhar, no cintilar do brilho das pupilas dilatadas.
a emoção revelar-se da cumplicidade de sermos íntimos de um único estarmos nus de vaidades e transpirando na pele um nobre sentimento.

um dia a gente aprende que o medo de amar é ser duplamente infeliz. é sermos e condenarmos no outro à infelicidade de não poder amar o outro em vida e não poder ser amada pelo outro amor. e que só se aprende a amar quando o amor é correspondido.

um dia a gente aprende que adorar exige amor, devoção, honra e respeito em todas as aceitações das perfeitas imperfeições do outro. o amar aceita e valoriza todos os sinais do tempo, do alerta das rugas e das manchas de sol.

um dia a gente aprende a curvar-se com reverência e dedicar-se com apreço num beijo nos pés da única amada. e que por ser a única amada, se reconhecerá em ser a única majestade de um amor.

um dia a gente aprende que a realidade é o que somos e pelo que valemos ser diante de um raro amor. ao entregarmos nossos corpos um ao outro, é saber que tanto um e o outro, devolveremos nossos corpos à vida. e daremos graças pela vida que nos consagrou com amor.

um dia a gente aprende que amar-se é o amor no outro e que o mundo sempre foi maravilhoso.

um dia a gente aprende que a vida finda e, das mil variantes do amor, só amar nos eterniza e tudo que é efêmero passa.

um dia a gente aprende a amar-se um no outro para sermos felizes. muito além de um estado de espírito, sem amar-se no outro não se está permitindo abrir-se à felicidade.

um dia a gente aprende que só se pode amar no outro para ser amado, para que o outro ser nos ensine o que é o amor. e que ninguém se ama, mas tem uma boa ideia de si, pois o amor é o sentimento que se transfere e acontece no outro e quando o outro tem amor por ti.

um dia a gente aprende, com o tempo de vida, a se eternizar no amor. que pior que o medo de morrer, é ter medo de amar, é ter medo de viver e não viver o amor. só se morre mil vezes quem não se viveu num amor. mas, se amas que seja num único e raro, que seja na plenitude de um amor verdadeiro.

um dia a gente aprende, que pior que morrer, é não viver, é não ter aprendido a amar-se no outro em vida. pois ninguém morre de amor e, pelo contrário, vive-se num amor.
ter medo é não aprender a viver, é não aprender a amar e é não viver a vida com amor.

um dia a gente aprende que amar nunca poderá ser tarde demais.

segunda-feira, 11 de julho de 2016

John Legend's official music video for 'All Of Me'. Click to listen to John Legend on Spotify


John Legend's official music video for 'All Of Me'. Click to listen to John Legend on Spotify: http://smarturl.it/JohnLSpotify?IQid=...
-.-
As featured on Love In The Future. Click to buy the track or album via iTunes: http://smarturl.it/JohnLLITFiTUnes?IQ...
Google Play: http://smarturl.it/JohnLAOMplay?IQid=...
Amazon: http://smarturl.it/JohnLLITFAmz?IQid=...
More from John Legend
-.-
Save Room: https://youtu.be/iOmnGzAKLvg
Everybody Knows: https://youtu.be/c7NLq5Soq_E
Heaven: https://youtu.be/Gs6ajB9o8b4
Follow John Legend
-.-
Website: http://www.johnlegend.com/
Facebook: https://www.facebook.com/johnlegend
Twitter: https://twitter.com/johnlegend
~.~.~
Tudo de Mim - [All Of Me - John Legend]

O que eu faria sem a sua boca inteligente
Me atraindo, e você me afastando
Minha cabeça está girando, sério, eu não consigo te decifrar
O que está acontecendo nessa mente linda?
Estou em sua jornada mágica e misteriosa
E eu estou tão tonto, não sei o que me atingiu, mas eu ficarei bem

Minha cabeça está debaixo de água
Mas eu estou respirando bem
Você está louca e eu estou fora de mim

Porque tudo de mim
Ama tudo de você
Ama as suas curvas e seus limites
Todas as suas imperfeições perfeitas
Me dê tudo de você
Eu darei tudo de mim para você
Você é o meu fim e o meu começo
Mesmo quando eu perco estou ganhando
Porque eu te dou tudo de mim
E você me dá tudo de você

Quantas vezes eu tenho que te dizer
Mesmo chorando você é linda também
O mundo está te castigando, eu estou por perto acompanhando tudo
Você é minha ruína, você é minha musa
Minha pior distração, meu ritmo e minha melodia
Eu não posso parar de cantar, está tocando, em minha mente para você

Minha cabeça está debaixo de água
Mas eu estou respirando bem
Você está louca e eu estou fora de mim

Porque tudo de mim
Ama tudo de você
Ama as suas curvas e seus limites
Todas as suas imperfeições perfeitas
Me dê tudo de você
Eu darei tudo de mim para você
Você é o meu fim e o meu começo
Mesmo quando eu perder estarei ganhando
Porque eu te dou tudo de mim
E você me dá tudo de você
Me dá tudo de você

Cartas na mesa, nós dois estamos mostrando corações
Arriscando tudo, embora seja difícil

Porque tudo de mim
Ama tudo de você
Ama as suas curvas e seus limites
Todas as suas imperfeições perfeitas
Me dê tudo de você
Eu darei tudo de mim para você
Você é o meu fim e o meu começo
Mesmo quando eu perder estarei ganhando
Porque eu te dou tudo de mim
E você me dá tudo de você

Eu lhe dou tudo de mim
E você me dá tudo, tudo
~.~.~
Rubem Azevedo Alves foi um psicanalista, educador, teólogo e escritor brasileiro, é autor de livros religiosos, educacionais, existenciais e infantis. É considerado um dos maiores pedagogos brasileiros de todos os tempos, um dos fundadores da Teologia da Libertação e intelectual polivalente nos debates sociais no Brasil. Foi professor da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). [15/09/1933 MG - 19/07/2014 SP] https://pt.wikipedia.org/wiki/Rubem_Alves
http://rubemalves.com.br/site/


domingo, 3 de julho de 2016

não permitas que somente a vida aconteça

Quando Amanhecer [Vanessa da Mata] feat. Gilberto Gil
álbum "Bicicletas, Bolos e Outras Alegrias".
http://www.vanessadamata.com.br/
~.~.~
Arte e Solidão 

La Mère Pichaud -1890 - Guy Rose (1867-1925) 
http://www.guyrosegallery.com/

“A cadeira vazia”- The empty chair -1922. Charles Spencelayh (1865 - 1958)
https://www.flickr.com/photos/nogtow/sets/72157625152860375/
~.~.~
Arte e solidão 
Guy Rose (1867-1925) é um nome muito talentoso dos impressionistas dos EUA. Pintou este quadro ( La Mère Pichaud) em 1890. Uma senhora olha a cadeira vazia de forma expressiva. A pintura é da fase francesa dele, quando estava próximo a Monet. O outro é do pintor acadêmico inglês Charles Spencelayh (1865 - 1958) e se chama “A cadeira vazia” (The empty chair) , de 1922. Os dois falam do envelhecimento, da espera, dos parentes que não chegam e da dificuldade em lidar com o abandono. 
~.~.~

não permitas que somente a vida aconteça 

só em teus braços componho melodias
construo-me nos momentos de teu silêncio
se a cada um não, mais da vida eu sei
e em si mesmo, em cada um há uma prisão 

e sem que percebas, a vida nos ilude
e na dor dos outros, a tua dor se alivia 
como sou e serei sem que digas o que tu és?
se me desconstruo em sua existência finda

saber-te prisioneira em tua beleza
se acreditamos em que não vemos
por medo, sem saber que és meu destino
se em que nos vemos não acreditamos 

se nos cativamos e fazemos sofrer
na tua beleza de alma eu me devoro
e em tua rubra boca me enveneno
é no teu corpo que minh'alma existe

sabes que um dia a beleza ofusca e passa 
mas quando se abres como uma aurora
extasia-me, faz-se a bela e me deslumbra
te vislumbro como um desabrochar em flores 

e se te doas por tudo e tanto me encanto
me busco em tua paz, se és meu repouso
anseio em tanto amor e o quanto amas
espero em teu peito os botões de rosa

por tanto amar teu desabrochar em vida
que eu tanto sofra se nos ver na dor
se me reconheces em duas almas antigas
foi o encontro nosso pelo maior destino 

e o mesmo destino que se fez ingrato 
se em teu corpo jovem me envelheço
a ironia foi destino antes do nosso amor 
e se agora soube em minha dura sina

pior saber-te da ambição dos outros
do egoismo a enclausurar-te bela
libertar-te, é por tanto amar-te à vida
se te deixo partir, eu te suplico livre 

pois sem teu amor, liberta-se por mim
e se me abandonas para que não sofras
saberei, se não haveremos nós num hoje
sou sem amar num nós e a morte me clama

da sua dor sei que em tuas palavras sangras
iluminas com seu amor os meus labirintos
lá onde sei, te perco dos meus caminhos 
pois trouxeste a plena luz de teus carinhos

me desprezo a morte para saber-te feliz
apenas que saibas para onde foi a vida 
se és forte, saberás, é a minha razão de vida 
e então saberei da minha vida sem mim

importo com meu fim sem teus carinhos
importo o não viver, se viver sem teu amor 
que breve eu seja, pois sem amar-te em nós 
sem nosso amor a vida não tem sentido 

aconteça em vida pelo verdadeiro amor
não se permita que a vida te aconteça
és teu o amor e faça-o acontecer em tua vida 
se o destino é meu e seguirei com a minha dor

em sentimento que se represa, o amor transborda 
numa inundação é inevitável o seu curso d'água
o amor está a espreita entre o desejo e a dor
num mundo nos deseja, um mundo de dois corações

não permitas que somente a vida aconteça 
no mundo de dois corações viver num só

"pior que morrer é não viver."

Leia mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=311322 © Luso-Poemas

sábado, 2 de julho de 2016

Nas mil folhas do meu imaginário

Lisa Ekdahl - Blame it on my youth [Jamie Cullum]
LISA EKDAHL
look to your own heart
~,~,~

Arte e solidão 
New York Movie, 1939 by Edward Hopper
A solidão é um tema forte na sua vasta obra. 
http://www.edwardhopper.net/newyork-movie.jsp#prettyPhoto
http://www.edwardhopper.net/
~.~.~

nas mil folhas do meu imaginário

diga-me qualquer coisa
o meu querer é a tua voz rouca        
a que te desperto no meu invento        
nos sussurros que te faz indecifrável

sejas, ainda que eu não saiba, o meu mistério
apenas para que eu saiba 
para que eu ainda saiba
o quanto ainda tu me queres 

possa ouvir no teu leve respirar
o silêncio que revela no meu olhar 
onde no teu corpo em que invento
tudo em tua volta se adormece

faça nascer o teu corpo secreto
porque nele tudo me renasce
nas tuas sonolentas carícias
como te furtasse, eu me entrego

sorrateiramente te construo
na liberdade dos lábios amantes
o instante no meu coração ainda pulsa
na tua primeira nudez em meu peito 

e com o desejo inquieto
procuro na distância do teu repouso
percorro os beijos mudos sobre a tua pele
e estremeço ao te esculpir com as mãos

ah! minha desamparada alma
se embriaga no teu voo da pluma
no sabor que alimenta o meu desejo
nos lábios em que te doas embebida

não quero a morte, não quero nada
somente respirar-te à exaustão
encontrar-me nos lábios do teu ventre
e ser tudo que te leve ao breve instante

sou de tudo nos limites do teu corpo
no entrelaçar teus dedos em meus cabelos
no comprimir meu beijo entre tuas ancas
tu és o que me faz renascer das cinzas

por isso te toco e me faço súbito
no impossível esquecer o teu ardor
gravastes na memória o teu gozo
no infinito sopro do meu tempo

por isso te conspiro e me exausto
nos teus gestos que me embriagam
eu te escuto no ar que se desprende
na última gota que recolhes no suspiro

em mim desvendas os segredos da tua carne
sou o humilde desejo que beija os teus pés
és, em teu corpo, quem me recebe por inteiro 
pouso em teu peito o nascer como quem ama 

e colorimos no céu o sentido das cores
nasce em ti o poente entre os teus seios
para que eu seja o teu desejo de noite   
quando se molhas na transparência da água

sei do agora porque te criei em tantas palavras 
não era simplesmente por uma noite de insônia
eram as lágrimas que vertiam do teu olhar   
reveladas pela tua face no instante do gozo

elas ainda molham as mil folhas do meu imaginário
as mil folhas do meu imaginário
~.~.~

No sonho da poesia


Boyce Avenue - A Thousand Years (Legendado-Tradução) [OFFICIAL VIDEO]

Boyce Avenue BR
http://www.boyceavenue.com/
~,~,~
Automat, 1927 by Edward Hopper
 A solidão é um tema forte na sua vasta obra.
http://www.edwardhopper.net/
~,~,~

No sonho da poesia 

Não peças ao teu corpo que me olhes
Nem em tuas curvas irei perder-me
No arrepio da tua pele perseguir os lábios  
Não irás em teus seios tornar-me amante

Não aos momentos sublimes do teu suor 
Nem verei a transparência de tuas vestes
Nem a cegueira terei nos teus penhascos 
Em queda profunda nos teus desejos

Minha delicadeza não tocará teu rosto
No macio da pele o tato se negará  
Os dedos resistirão na seda o toque 
Nos cabelos seduzido não quedarei      

Não ao tremor no teu corpo desnudo
A minar a estrutura do meu ego
No teu suspiro não respirarei prazeres
Calo o meu grito ao teu ventre mudo

Não entregarei aos teus lábios úmidos 
Meu desejo voraz em saborear tua boca
Não saciarei na tua saliva o meu deserto 
Morrerei nas bordas frescas do teu oásis

Não alimentarei no sabor da pele
O gosto do sal que me alimentas
Nem o perfume morno que provocas 
No ardente percurso pelo teu corpo  

Não saberei dos anseios rosados
Em teu ventre o aflorar contente
O segredo febril do teu amante
Da pureza nem o degustar ardente 

Não me toques com a tua magia
Nem me seduza com teus sussurros    
Sou o avesso dos teus desejos insanos
És ainda o sonho desperto na poesia    

quinta-feira, 9 de junho de 2016

como soube te amar naqueles dias


Suburbano coração (Mônica Salmaso)- [chico buarque]
Release
http://www.monicasalmaso.mus.br/new/Paginas/frameset%20releases.html

~.~.~
Venus and Cupid
Lorenzo Lotto (Italian, Venice ca. 1480–1556 Loreto)
http://www.metmuseum.org/art/collection/search/436918
~.~.~


video
~,~,~

como soube te amar naqueles dias

te procuro em todas as mulheres 
nem que sejas por um gesto teu
para ser e me lembrar, sou seu 
como te amo naqueles dias

sem estar dentro de ti, amor 
por um beijo em sua flor, na dor
na gota em sangue e amar, te amar
para que estejas em meu corpo

num canto, encantas mágica
nascem das lágrimas as rosas
fazes do teu corpo dolorosas
apara em mim a tua dor, amor

me invades em teus males
meus sonhos, êxtases, cansaços
é muita dor, irritação, desconforto
és tão forte, é a vontade de hibernar

até que as tuas dores passem
teu vinho embriago-me no beijo
na tua dor saberás dos lábios meus 
meus vastos céus em chama e flor

em teus pés o meu repouso
pouso os beijos de uma vida
viva eterna em tua água pura 
dai-me a tua calma de princesa

em teus pés a sombra do carinho
agora sei, entre seus dedos eu nasci
e te encontrei, em ti eu me perdi
tua rubra boca, a minha apaixonada

trago-me e minhas mãos são tuas
sou em teus perfumes pelo corpo
a dor que na tatuagem se irradia
dá-me as tão profundas dores fortes

deixa-me colérico em tuas lágrimas
tão dores são tuas horas marcadas
as farei minha, as tuas próprias dores
latentes em que no coração palpitas

guardaremos nos crepúsculos das tardes
a lembrança dos nossos gestos de outrora
o sol dourado que iluminará os teus cabelos
prova de amor em tua rubra boca apaixonada

a dor em lábios de uma jura secreta
como soubemos o amar naqueles dias
fecha os olhos, esse tempo não há depois
aquela que no corpo as saudades incendeias

a mulher que aprendi amar a dor
a que hoje sei que posso amar
na mais linda canção do teu amor
a mulher que agora sei te amar na dor
~.~.~

quinta-feira, 2 de junho de 2016

amar é o tempo presente


Ástor Piazzolla: Estaciones Porteñas (Four Seasons of Buenos Aires)
I. Verano Porteño 
II. Otoño Porteño 
III. Primavera Porteña
IV. Invierno Porteño
The String Orchestra of Brooklyn
St. Ann and the Holy Trinity Church, Brooklyn, NY

String Orchestra of Brooklyn
http://www.thesob.org/concerts/

channel yotube String Orchestra of Brooklyn
https://www.youtube.com/channel/UCbqjaZ8ABLmS4XQFvK-K7jg
~.~.~
Leonardo Da Vinci Madona Benois, 1475-78
~.~.~

amar é o tempo presente
amar é receber e doar um presente
não são apenas os olhos nos olhos
são os nossos olhos num olhar unidos
para onde o amar é fazer planos para o futuro
o restante é ilusão e carência de amor
a carência nos faz brincar de amar
algumas pessoas não irão ao real
lá, no real, o real de dois, quem sabe platão explique
no real, os inteligentes controlam as pessoas
no real, tudo é uma questão de tempo
cedo ou tarde, no real, tudo volta ao normal
talvez não volte o amor colado aos cacos
a ilusão pode ajudar colar alguns pedaços
pode ajudar a anemizar as dores
e se o amor não volta
é porque não se ressuscita o amor
não saberemos o que destino nos reserva
certamente...
haverá sempre um novo amor
um amor vencendo barreiras
um amor superando controles
quando se ama-se e faz-se tudo por amor
quando se ama, no real, e sabe-se de um amor
o amor é quando a gente ama um no outro

quarta-feira, 1 de junho de 2016

para um ser humano especial


o mundo é pleno de mistérios. alguns encontros pessoais pela vida não são casuais. se numa fraternidade as almas se aproximam e, sem entender que necessitam da proteção uns dos outros, convivem em conflito com pessoas de muita negatividade e de pobreza espiritual. não nos damos conta que são ou somos vítimas da ruindade e da opressão alheia.

algumas pessoas são seres que sugam as boas energias das outras e, aos poucos, as levam a perder a auto estima. se diariamente as ofendem e depois se desculpam. persistindo num ciclo incessante de "morde e assopra" e, em cada oportunidade, vão minando e desmoronando a auto estima da outra pessoa.
eles as fazem sentir incapacitadas e, por mais esforço que façam, serão sempre consideradas por eles como desqualificadas e de baixo mérito pelas realizações.

usam da falsa aparência inofensiva e da generosidade por algo maior e valoroso. mas, são visíveis na intensa inveja sobre a beleza do outro e a felicidade dos outros. maldosamente se fortalecem impondo exercer um intenso controle sobre a vida dos parceiros. coibir-lhes a liberdade, reprimir as relações pessoais com outras pessoas, sufocar-lhes a evolução espiritual e material, mantendo-as sob repressão intensa, sob vigilância cerrada em todas as ações. sejam por compromissos sociais ou escolares, onde selecionam as amizades e as submetem a condição subalterna no nível da intelectualidade. as impossibilidades de preparo profissional, impõem-lhes a dependência financeira e as escravizada para um plano inferior. não há partilha nas decisões sobre o planejamento familiar, no convívio social e persistem com olhar de censura em público. são indiferentes a presença de menores ou dos filhos, pois se auto afirmam pela censura e precisam de platéia para atitudes as grosseiras, impulsivas e mal educadas. nada pode ser de boa exemplaridade aos jovens e crianças.

estes são seres negativos, movidos por uma intensa incapacidade de amar e, excessivamente materialistas, são de profundo sentimento egoísta por exigir para si, sempre o mais bonito como objeto do desejo. nesse lado negativo seguem fazendo uso das pessoas como meros objetos e as exploram sexual, laboral e psicologicamente. desqualificando-as pela moral, em meio ao ambiente familiar e, se em público for imposição social.

nestas pessoas, portadoras de inferioridade, são propensas a ter um ar de superioridade, de inversão de valores morais e princípios éticos. manifestam-se através do desprezo por outras pessoas e parentes, pela indiferença aos parentes próximos, aos que fazem parceria na vida conjugal. mantem-se intimamente descontrolados e com atitudes de excesso de ciúme animal pelo domínio sexual da parceira e, concomitante, pelo excesso de ciúmes afetivo, por não ser o centro dos elogios e das atenções de carinho e admiração dos seus inferiorizados.

há uma índole cruel, machista, misógina de estar em convívio com sugadores de energia, são raivosos na essência e prepotentes, rancorosos e vingativos, agindo através da impulsividade latente. o prazer pelo prazer sádico de humilhar a outra pessoa. criar esse clima denso, por consciente ou pela dependência da vítima, restará a vitima uma clausura solitária e um abandono de si mesma, enfraquecendo-a, fazê-las ceder ao direito à liberdade e à felicidade de direito a todo ser humano.

são astutos e ardilosos em vitimar a outra pessoa numa "prisão sem grades", numa "camisa de força psicológica" e sugando-lhes as boas energias. as mantém sob a tutela carrasca de quem escraviza e tortura, num sistema de mando, onde não haverá maior punição para um ser humano, que não só deseja ser o que é e no direito a própria felicidade de existir para a vida.
algumas pessoas irão libertar-se e se mais rápido for possível. enquanto ainda houver energia para lutar. outras irão consentir com a escravidão inconsciente ou pelo desejo aos benefícios materiais, enquanto outras cairão na submissão através do empobrecimento espiritual.

a inteligência é uma conquista de muita dedicação, são horas de estudo e pesquisas. mas nem todos podem ter essa conquista e seus benefícios por uma vida bem estruturada e de melhor qualidade. nem a desculpa será a de sempre, de não ter tempo ou dinheiro para graduar-se para uma profissão. a pobreza não pode ser uma desculpa num universo onde muitos livros são descartados ao lixo reciclável e muitos desses livros envelhecem nas bibliotecas públicas.
o resultado da conquista em desenvolver a inteligência pode beneficiar a própria vida, mas pode maquiavelicamente destruir populações e famílias inteiras.
Santos Dumont, com brilhantismo e inteligência, criou o avião para o progresso da ciência. da navegação aérea, tornando o sonho de voar em realidade para nós humanos.  já outros meros dotados de humanitarismo e de inteligência moral compartilhada entre os povos, usaram os aviões para bombardearem territórios inimigos. alegam fazer a guerra em nome da paz, escondem a busca de novas riquezas e a escravização de outros povos. tais desgraças foram o motivo de Santos Dumont cometer suicídio.

outros maléficos fazem o uso da inteligência e controlam robotizando as pessoas. as ofende e se desculpam no ciclo constante do morde e assopra diário. minando e demolindo-lhes a auto estima, com a pretensão de reconstruí-las e moldá-las na estrutura psicológica que lhes convém. as substitui pelo modelo idealizado para que sejam como as pessoas idealizadas, na maneira de pensar, no agir e se comportar, primando em ser o exemplo: das submissas, das frustradas, das infelizes, das depressivas, transformando-as em inseguras e fracassadas. serão as pessoas que não são mais originais. perderam a própria identidade, pois foram transformadas em vítimas pela posse da mente e do corpo. serão as produtoras de prazer e gozo, a criação das qualidades do escravizado e subalterno, sujeitas a todos os desejos do dominador. uma inteligência a serviço do mal, conseguindo obter o sucesso, com seus mandatários que se julgam inteligentes ao lançarem milhares de bombas através dos aviões de Santos Dumont.
essas são as armadilhas da vida, a desgraça na vida dos outros e dos que usam a inteligência pelo desejo de propriedade e por um egoísmo desumano. eles produzem famílias de pessoas infelizes e de relacionamentos, psicologicamente, doentios, onde muitas consequências serão sequelas na estruturação psicológica dos filhos.

a civilidade não faz dos povos um paraíso, nem todas as pessoas podem ou são felizes. não seremos qualquer um ou um sujeito qualquer para sermos considerados dignos do amor de outros. nem por sexo saudável nas 24 horas do dia, que não seja num estado de dependência viciante e que não necessite de atendimento psiquiátrico ou psicológico. a inteligência faz suas grandes possibilidades de sucesso em subordinar e escravizar os semelhantes. tudo por e em próprio benefício, sejam através de um processo de dominação, lento e constante. arquitetado para que seja executado no ambiente familiar, no plano individual ou coletivo. coexistimos num mundo de imperfeições, que nem todos podem ser felizes, pois não há uma lei da felicidade.
a vida seguirá entre alegrias e sofrimentos pessoais ou coletivos. aos indiferentes apenas se regozijam da exclusiva felicidade ou da felicidade do só eu sou feliz e isso me basta. reinarão sobre aquelas que submeteram-se em beneficiá-las. vassalos dos seus senhores de escravos de alma. pelo valor do não amor, pelo valor do não valor, pelo humano primordial ao reconhecimento e aceitação da existência do outro. atuantes malfeitores felizes pela infelicidade do outro. reconhecem o NÃO direcionado ao outro, mas dizem sim aos próprios impulsos. preserva-os ao direito ao narcisismo da vida proporcionada muitas escolhas. por preciosas fontes de felicidade ao preço de muitas prisões de almas. façam suas escolhas, sabendo-as se preferidas, estarão entre muitas outras milhares de chances de ser feliz.

quando seremos igualmente seres humanos civilizados. aceitos entre pessoas pela desejo de ser o que as fazem felizes e realizadas.
continuaremos no processo repressor e discriminatório, separatista entre os iguais. como continuaremos vivos numa sociedade doente e em conflitos sociais.
como podemos não crer que aquilo que não vemos mas, ouvimos em palavras e ofensas, distorcerem nosso sentimento e as sensações, reproduzirem-se em males físicos pelo corpo? imagine o mal que se produz à mente, e se o que se produz na mente, se expande em males e consequências físicas pelo corpo. elas resultam nas causas das dores físicas e mentais, das dores da alma e da energia corporal.

quem ofende e se desculpa, não tem a noção dos males que causa ao outro. nesse "morde e assopra" de todo dia, demolindo a autoestima e destruindo a estrutura mental para ter dominação sobre o outro.
é preciso cautela e instinto de preservação da vida para não se subjugar, não se submeter e não se subordinar, não abandonar a si mesma, pela impetuosidade do controle de domínio do outro e por tanto desgaste mental e abalo na estrutura psicológica, torna-se vítima em se apaixonar pelo carrasco.

não assumir, não admitir, não reconhecer, e combater a ofensa e lutar, lutar muito pela liberdade de ser a sua natureza, do que fostes feita,seja preservada por inteira, é preciso ser inteira, com todo direito de ser, para ser feliz por completa.
quem ama preserva, cuida, dignifica e protege e, não permite jamais, jamais destrói a quem se ama. um carrasco masoquista, um sugador de almas.

O "Malleus Maleficarum" – O Martelo das Bruxas. O maldito inquisidor assassinou mais de 9 milhões de pessoas e a maioria mulheres, pelo pecado da sensualidade do corpo das mulheres, a sensualidade e a beleza feminina consideradas como o portal do inferno, por onde viriam os 4 cavaleiros do apocalipse. assassinaram em nome da santa inquisição.
as boas pessoas de coração são as vítimas preferidas dos carrascos. aos que convivem com os santos inquisidores serão assassinadas em sua natureza mental, transformar-se-ão em pessoas que não são naturais. serão os objetos de prazer e tortura dos dominadores, dos inquisidores, dos machistas misóginos carrascos.
abaixo, importantes sugestões para uma literatura auxilar, estimule-se e disponha-se a leitra dos sites abaixo:

Vampiros energéticos e Sequestradores de Alma nos relacionamentos
http://somostodosum.ig.com.br/conteudo/c.asp?id=12176

Sugadores de energia
http://www.etcaritas.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=66&Itemid=81

HOMENS QUE HUMILHAM SUAS COMPANHEIRAS
http://homensquemaltratam.blogspot.com.br/2015/10/homens-que-humilham-suas-companheiras.html
~.~.~

Não me Peçam Razões...

Não me peçam razões, que não as tenho, 
Ou darei quantas queiram: bem sabemos 
Que razões são palavras, todas nascem 
Da mansa hipocrisia que aprendemos. 

Não me peçam razões por que se entenda 
A força de maré que me enche o peito, 
Este estar mal no mundo e nesta lei: 
Não fiz a lei e o mundo não aceito. 

Não me peçam razões, ou que as desculpe, 
Deste modo de amar e destruir: 
Quando a noite é de mais é que amanhece 
A cor de primavera que há-de vir. 

José Saramago, in "Os Poemas Possíveis" 
// Consultar versos e eventuais rimas
http://www.citador.pt/poemas/nao-me-pecam-razoes-jose-de-sousa-saramago

domingo, 29 de maio de 2016

a flor - soneto - Aquazulis - Luís R Santos - Lisboa - Portugal


Dulce Pontes - La Bohème [Giacomo Puccini]

DULCE PONTES
"MOMENTOS"
20 anos de carreira
http://www.dulcepontes.net/
~.~.~
Migrant Mother - Dorothea Lange (1895-1965)
http://www.lomography.com.br/magazine/68164-fotografos-influentes-migrant-mother-1936-por-dorothea-lange 
~.~.~

~.~.~
a flor

a flor que ao meu lábio a roçar se atreve
deixa rastros de singular perfume,
que dá fúrias de mordiscar-lhe o lume
de um rubro, ora grave, ora leve.

sabe ao seu beijo, que não provei ainda,
e se provei, foi em sonhos molhados
pela chuva qu'entorna dos telhados
da vontade, tirana, que não finda.

seja lírio, dália, rosa ou açucena
toda a boca por ela se envenena,
toda a boca deve tributo à fome.

a flor, esse cálice de sangue louco
que, por muito que o sorva, sabe a pouco,
e, pouco a pouco, é ela que me consome!

Aquazulis
Luís R Santos
Lisboa - Portugal
http://www.recantodasletras.com.br/sonetos/5636319

obrigado Aquazulis.
estou certo que podes receber essa minha mensagem em vida. agradeço pelo lirismo de seus sonetos e sua generosidade.
Leia mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=311058 © Luso-Poemas

terça-feira, 24 de maio de 2016

a música popular brasileira - Bastidores


Mônica Salmaso - Suburbano coração[Chico Buarque]

DVD, ao vivo, gravado em março de 2008 no teatro Fecap em São Paulo, registra o show homônimo, que já passou pelas principais capitais do país. Ao lado do quinteto Pau Brasil, formado por Nelson Ayres (piano), Paulo Bellinati (violão e cavaquinho), Teco Cardoso (sax e flautas), Ricardo Mosca (bateria) e Rodolfo Stroeter (baixo), Mônica Salmaso contempla diversas fases do autor Chico Buarque. Biscoito Fino - https://www.youtube.com/channel/UC0MFq331Z7_CoSFimP84Mbw

Mônica Salmaso 
Release - Discografia - Fotos - Imprensa - Agenda - E-mail - Encontre os cds
Turnê cd Corpo de Baile  http://www.monicasalmaso.mus.br/
~.~.~

Chico: Bastidores - "Sinhá". Participação especial João Bosco 

Chico: Bastidores traz uma coletânea de vídeos que apresentam, como o próprio nome sugere, os bastidores da gravação e elaboração do DVD "Chico Na Carreira".
http://www.chicobastidores.com.br/musica
Biscoito Fino https://www.youtube.com/channel/UC0MFq331Z7_CoSFimP84Mbw
~.~.~

O Bêbado e o equilibrista -  João Bosco & Aldir Blanc 

Um dos maiores clássicos da parceria João Bosco & Aldir Blanc é “O Bêbado e a Equilibrista”. Mais do que um clássico, essa música  foi um hino. Conheça a história de 'O Bêbado e a Equilibrista'. http://jornalggn.com.br/blog/joao/conheca-a-historia-de-o-bebado-e-a-equilibrista

João Bosco
discografia - galeria - noticia - filhos - imprensa - cadastro - contato
http://www.joaobosco.com.br/   
ouça João Bosco
~.~.~

Bye, Bye, Brasil [Chico Buarque e Roberto Menescal]

Bye, Bye, Brasil

Oi, coração
Não dá pra falar muito não
Espera passar o avião
Assim que o inverno passar
Eu acho que vou te buscar
Aqui tá fazendo calor
Deu pane no ventilador
Já tem fliperama em Macau
Tomei a costeira em Belém do Pará
Puseram uma usina no mar
Talvez fique ruim pra pescar
Meu amor

No Tocantins
O chefe dos parintintins
Vidrou na minha calça Lee
Eu vi uns patins pra você
Eu vi um Brasil na tevê
Capaz de cair um toró
Estou me sentindo tão só
Oh, tenha dó de mim
Pintou uma chance legal
Um lance lá na capital
Nem tem que ter ginasial
Meu amor

No Tabariz
O som é que nem os Bee Gees
Dancei com uma dona infeliz
Que tem um tufão nos quadris
Tem um japonês trás de mim
Eu vou dar um pulo em Manaus
Aqui tá quarenta e dois graus
O sol nunca mais vai se pôr
Eu tenho saudades da nossa canção
Saudades de roça e sertão
Bom mesmo é ter um caminhão
Meu amor

Baby, bye bye
Abraços na mãe e no pai
Eu acho que vou desligar
As fichas já vão terminar
Eu vou me mandar de trenó
Pra Rua do Sol, Maceió
Peguei uma doença em Ilhéus
Mas já tô quase bom
Em março vou pro Ceará
Com a benção do meu orixá
Eu acho bauxita por lá
Meu amor

Bye bye, Brasil
A última ficha caiu
Eu penso em vocês night and day
Explica que tá tudo okay
Eu só ando dentro da lei
Eu quero voltar, podes crer
Eu vi um Brasil na tevê
Peguei uma doença em Belém
Agora já tá tudo bem
Mas a ligação tá no fim
Tem um japonês trás de mim
Aquela aquarela mudou
Na estrada peguei uma cor
Capaz de cair um toró
Estou me sentindo um jiló
Eu tenho tesão é no mar
Assim que o inverno passar
Bateu uma saudade de ti
Tô a fim de encarar um siri
Com a benção de Nosso Senhor
O sol nunca mais vai se pôr

~.~.~
Roberto Menescal
NEWS-BIOGRAFIA-FOTOS-SHOWS-DISCOGRAFIA-BROMÉLIAS-LETRAS-DOWNLOADS-CONTATO 
http://www.robertomenescal.com.br/wpress/  
ouça Menescal
~.~.~

Verônica Sabino - Esse seu olhar / Só em teus braços (participação Roberto Menescal)
Esse Seu Olhar (Tom Jobim) /Só Em Teus Braços (Tom Jobim)  Trecho do DVD "Esse meu olhar"

Verônica Sabino
contatos para shows: Bateia Produções 
contato@bateia.com.br 
(21) 2557.4996
assessoria de imprensa: Coringa Comunicação 
belinha@coringacomunica.com.br 
(21) 2259.6042
ouça: Spotify | Deezer | rdio | Napster
http://www.veronicasabino.com.br/
http://www.cantorasdobrasil.com.br/cantoras/veronica_sabino.htm
~.~.~ 

A Volta do Malandro - Chico Buarque  

Biscoito Fino https://www.youtube.com/channel/UC0MFq331Z7_CoSFimP84Mbw

Chico Buarque de Hollanda
Obra - Vida - Textos - Sanatório Geral 
http://www.chicobuarque.com.br/   
ouça Chico
~.~.~

outros links:
http://poemasdechicobuarque.blogspot.com.br/2009/08/bye-bye-brasil.html
http://poemasdechicobuarque.blogspot.com.br/
~.~.~
http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_brasis/rio_de_janeiro/chico%20buarque.html
~.~.~
https://www.pinterest.com/veronikatinoco/chico-buarque/

quinta-feira, 28 de abril de 2016

MEMÓRIAS DA DITADURA História da ditadura - Repressão e abertura - Contexto internacional

Mordaça - Fátima Guedes 
[composição: Eduardo Gudin/Paulo César Pinheiro]

Fátima Guedes
  http://www.fatimaguedes.net/
Fátima Guedes (Rio de Janeiro, 6 de maio de 1958) é uma cantora e compositora brasileira. Começou a compor aos quinze anos de idade, e em 1973 alcançou o primeiro lugar no Festival de Música da Faculdade Hélio Afonso, com a música "Passional". Teve canções gravadas por Elis Regina, Maria Bethânia, Simone, Ney Matogrosso, entre outros.
https://pt.wikipedia.org/wiki/F%C3%A1tima_Guedes

Eduardo Gudin
 http://www.eduardogudin.com.br/  
Eduardo dos Santos Gudin (São Paulo, 14 de outubro de 1950) é um compositor e produtor musical brasileiro. Tem mais de trezentas canções, gravadas por vários intérpretes. 
O início de sua carreira se deu aos 16 anos, em 1966, quando foi convidado por Elis Regina para se apresentar no extinto O Fino da Bossa, musical da TV Record.
Dois anos depois, classificou "Choro do Amor Vivido" (em parceria com Walter de Carvalho e interpretada por Os Três Morais e arranjo de Hermeto Pascoal) para o Festival de Música Popular Brasileira, da mesma emissora, no qual se apresentaram Chico Buarque, Edu Lobo, Caetano Veloso, e outros. https://pt.wikipedia.org/wiki/Eduardo_Gudin

Paulo César Pinheiro
Paulo César Francisco Pinheiro (Rio de Janeiro, 28 de abril de 1949) é compositor e poeta brasileiro. Tem mais de duas mil canções, das quais mais de mil gravadas, compostas com cerca de 120 parceiros, uma grande variedade que inclui músicos como João Nogueira, João de Aquino, Francis Hime, Dori Caymmi, Raphael Rabello, Antônio Carlos Jobim, Ivan Lins, Edu Lobo, Mauro Duarte, Guinga, Toquinho, Eduardo Gudin, Luciana Rabello, Mauricio Carrilho, Cristovão Bastos, Sergio Santos, Moacyr Luz, Danilo Caymmi, Baden Powell, e Maria Bethânia. Livros: Canto Brasileiro (1973), Viola Morena (1984), Atabaques, Violas e Bambus (2000), Clave de Sal, Pontal do Pilar (2009), Matinta, o bruxo (2010) e Histórias das minhas canções (2010).  https://pt.wikipedia.org/wiki/Paulo_C%C3%A9sar_Pinheiro

http://memoriasdaditadura.org.br/artistas/paulo-cesar-pinheiro/
~.~.~ 
imagem da internet - autor desconhecido
~.~.~
MEMÓRIAS DA DITADURA
História da ditadura - Repressão e abertura - Contexto internacional 
 Movimentos de resistência -  Sociedade e resistência -  Arte  & Cultura - Memória & Verdade  Apoio ao Educador
http://memoriasdaditadura.org.br/artistas
http://memoriasdaditadura.org.br/
~.~.~
Pinacoteca do Estado de São Paulo
Memorial da Resistência de São Paulo






http://www.memorialdaresistenciasp.org.br/memorial/#maincontent
Largo General Osório, 66 - São Paulo, SP
Tel. 55 11 3335-4990
Aberto de quarta a segunda
(Fechado às terças)
Entrada Gratuita
faleconosco@memorialdaresistenciasp.org.br