sábado, 8 de dezembro de 2012

Mãos da terra


川井郁子 Ikuko Kawai - Cobalt Moon


Moldas a terra em curvas
Semeia as minhas vontades
Alimentas as minhas raízes
Sustenta-me de seiva e fortalece

Ensina-me a dobrar nas ventanias
Se reconhece na minha natureza
Da terra sou feito a cada grão de argila
Sou a terra que se transforma e humaniza

Mãos da terra se cavam
Cavam mãos que se "argilizam"
Na terra que me molda
Na terra que me fertiliza

Nela vivo e estou habitante
Sou de cada poro o sal da terra
Terra, materna natureza de tudo
D'onde germino e tudo germina

Recebes em seu colo materno
Cobres em meu leito de morte
Sois cova da reles nobreza humana
És onde finaliza o ciclo e termina

O ciclo perfeito do fim
Do principio de todos nós
A brevidade que a vida sopra
A vida num sopro de terra

D'onde me deito em repouso
Por vastos campos floridos
Paisagens infindas de milharal
Dos imensos castelos efêmeros

Minha impermanência perfeita
O tempo passa, passa menos tu
Na argila moldo o teu corpo de mulher
Acolhe-me, cobrindo-nos de terra