segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Simplicidade


Sou um poeta que não necessita de amores
A mim basta uma lua e algumas estrelas

Não serei o poeta de um mundo maldito
Onde mais se destrói e se desarmoniza

Serei sim o poeta de inspiração estelar
Assistindo o verde e o mar findando

Não sou um poeta de inspiração entristecida
Apenas observo os malditos acabarem com o mundo

Não serei o poeta caduco de um mundo acabado
A mim basta uma lua e algumas estrelas

Serei um poeta na simplicidade do que penso
O restante é efêmero e muita cumplicidade