sábado, 23 de março de 2013

Na metade em branco da carta



Last Tango in Paris - Ikuko Kawai


No engano chegaram as mágoas
Nas lágrimas da insensatez
No desespero mortal de uma paixão
A cruel ausência que hoje causas

Nesta clausura de insuportável dor
Sem poder debruçar nos teus olhos
Atravessei os mares para te perder
No encanto de uma afeição eterna

No tempo de agora o sofrimento
Por uma serenidade apaixonada
Se encante na luz dos teus olhos
Uma nova afeição tão desejada

Na mais vislumbrante canção
Nos lábios os beijos perdidos
Despertos na bonita manhã
Perdidamente deslumbrada

Bem sei que nada sabes
Lamentar os impulsos do coração
Descobrir no prazer de viver
O ódio e a aversão das tormentas

Se bem sabes que nem sei quem sou
Se o amor existe nas frias cartas
Nas juras secretas de um amor
Os suspiros, as lágrimas e a dor

Criastes o encanto da delicadeza
Das lágrimas que a tua alma chora
O sabor nas bocas dos pescadores
A doce morte em todos os mares

Na metade do papel em branco
O coração que é teu se comove
Repetindo as mesmas palavras
Loucamente morto sem terminá-la

Do sentimento sincero e ardente
Na metade em branco da carta
Sobrevive o vazio para lembrar-me
Só se vive no amor por inteiro