quinta-feira, 26 de julho de 2012

Sonata ao silêncio





Da semente ecoa a madeira
Da seiva bruta à vibração das cordas
No passar dos arcos
As notas agudas do coração

Os violinos ressoam no ar
Sobre o mar em onduladas vagas
Vagas acústicas em outras cordas
Transformando-as em palavras

Os olhos cerram no fechar d'alma
Palpitam os sons graves e agudos
Numa inspirada harmonia
Gotas a lacrimejar acalma

Desenfreada a paixão cresce
Nos intensos sons da agonia
O que pela mão vem escreves
Nascendo na música a poesia